TRANSIÇÕES

By | 2.4.13


Querendo ou não você passa por elas. 
Da vida boa e serena para as crises da adolescência... Logo mais, a parte da vida adulta, você faz dívidas você paga, você sujou você lavou. No emocional, só mais incógnitas e adaptações, o beijo já não mais concreto. O abraço passa a ser... bom, muito mais coisas. Tem ainda a transição do 'nada ser' para o 'ser algo', um profissional talvez, do 'não saber' ao 'saber' o que quer. Cada vez aparecem mais ramificações e especializações e novas vertentes e novos estilos, novos níveis, novas exigências... Com casa, sem casa, sem dinheiro, com dinheiro, gorda/magra, noiva/solteira... ui Difícil, chato e agoniante! Essas fases... então, parece que eu as atraio. Realmente, de forma inconsciente e vivaz, assino em baixo do Raul, abraçando o rótulo de metamorfose ambulante. Quem não muda, não está vivo. Quem não transita, não sai do lugar. O importante é ter, em suas passagens, você, em sua totalidade. E se expandir em cada início faz com que nos próximos estejamos maiores. A vida é feita de inícios!
Era inimaginável que fosse conseguir viver um dia sequer sem o ballet. A paixão está aqui ainda, pois o vivi em minha totalidade, mas se passaram um, dois dias e da barra fui para o chão. Do linóleo ao dercoflex. Não vivemos em linha reta, há curvas sinuosas e parabólicas e há também outras linhas paralelas ou perpendiculares que podem se esbarrar nas nossas... O mais concreto é que você tem o lápis. O que eu posso dizer? Desenhe!
Contextual as linhas e curvas do chão!

EU. Estou correndo atrás, da minha vida profissional e de dinheiro, o que explica o deficit da minha presença aqui. Só para se ter notícias minhas, estou com a Cia da UFRRJ coreografando, esta semana estaremos fazendo aula no corredor da reitoria, que o movimento estudantilo cupou. Além das minhas turmas de ballet estou pegando firme nos treinos de break, graças a Deus nenhuma lesão grave que me impeça de treinar no atual momento. Estou indo a bastante eventos desta minha nova área e conhecendo muitas pessoas interessantes que já deixaram um pedacinho delas comigo e isso é lindo. Vida emocional... bom, é melhor deixa essa aí pra lá! Família... pensando com a mente mais aberta e tranquila. Estou fazendo terapia. Roí as unhas. Quero muito mesmo um cachorrinho.”

PS: Fui neste evento, Favela em Dança, e lá um dancer disse que me conhecia através deste blog por conta de uma postagem antiga, “Vida de bicho” sobre a primeira semana de trotes na universidade. Fiquei feliz demais, me fez lembrar quantas vezes isso acontecia antigamente. Este blog e suas faces fazem muito parte de mim, fiquem a vontade para navegarem na barra lateral onde está escrito "ficher", há postagens minhas, sobre a minha vida e outras coisas desde 2006. Óh só... não se assustem e nem me zoem muito (apesar de merecer! putz, tá muito engaçado...rs), mas minha opção é não ter sempre aquela velha opinião formada sobre tudo.


Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor


beijinhos

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial