EM MIM - por Sabrina Vaz

By | 4.8.15
Falae galera!!
Ontem nasceu um trabalho muito legal que escrevi. Quem lê este blog desde 2004 sabe que gosto muito de Fernando Pessoa e seus heterônimos e fiquei muito feliz em fazer uma pesquisa baseada nele.
Foi uma sensação muito boa ver algo que antes era apenas palavras em um documento de texto e hoje materializado em um trabalho cheios de linguagens artísticas. Inspiração total para fazer outros e mais outros! Na verdade o grande BAM do projeto foram as pessoas. Então o conselho de hoje é: se una a pessoas que façam a diferença! Se una a pessoas que falam menos e ajam mais, que somem e multipliquem ideias de qualidade! Forme uma equipe.
Meus agradecimentos almáticos ao Gustavo Alves, ator e bailarino que abraçou lindamente o projeto e ao Kapu Araujo, fez a trilha sonora, que me dá base psicológica e sentimental para acreditar em tudo que faço. Seus lindos vocês são o aço!
Em breve sairá um teaser oficial do trabalho no canal do ROUPA DE ENSAIO e eu ponho aqui o link. Enquanto isso sigam meu IG @ssavaz que devo postar alguns trechos e blá blá bla.
É isso! Sente a pressão então, pow pow pow! ^^

EM MIM

 O trabalho organiza de forma técnica e poética uma amarração de voz e dança. O experimento traz citações poéticas de Fernando Pessoa e seus heterônimos, divagações improvisadas e espontâneas e técnicas da dança breaking e contemporânea, unindo as vivencias corporais dos intérpretes.
O duo tem como pesquisa o corpo, a mente e a cidade em seus campos abertos democráticos. Com base em danças urbanas e a dança contemporânea, integramos uma pesquisa de movimentos naturais cotidianos a fim de manifestarmos a necessidade de expressão. Ao exigir a excelência da arte em corpo, poesia, fala, gesto, movimento, conduzimos o público a uma divagação que ocorre no interno da mente de um artista, querer entender, achar algo e/ou chegar a algum lugar. Quando reconhecemos que este é um fio condutor cíclico, tratando o fato que tudo volta e se renova, repete e se reconstrói, aceitamos que estamos sempre retornando ao ponto de partida e redescobrindo o simples.
Dando continuidade a cena urbana, transforma-se toda a dança em um enredo introspectivo, mostrando que cada um vive e observa o mundo a volta de uma maneira única. Pensamentos, sentimentos, sensações, experiências. Tudo volta e reverbera nos movimentos, narrado por poesia profunda, o que parece simples ou complexo, quando destrinchado, modificado, retirado, acrescentado, ganha a forma referente à sua interferência no universo espacial, universo este unicamente seu.
TRECHO DE UM DOS POEMAS:
A Melhor Maneira de Viajar é Sentir -Álvaro de Campos 
Sou um monte confuso de forças cheias de infinito
Tendendo em todas as direções para todos os lados do espaço,
A Vida, essa coisa enorme, é que prende tudo e tudo une
E faz com que todas as forças que raivam dentro de mim
Não passem de mim, nem quebrem meu ser, não partam meu corpo,
Não me arremessem, como uma bomba de Espírito que estoira
Em sangue e carne e alma espiritualizados para entre as estrelas,
Para além dos sóis de outros sistemas e dos astros remotos.
-
Dentro de mim estão presos e atados ao chão
Todos os movimentos que compõem o universo,
A fúria minuciosa e dos átomos,
A fúria de todas as chamas, a raiva de todos os ventos,
A espuma furiosa de todos os rios, que se precipitam,
-
Tudo o que há dentro de mim tende a voltar a ser tudo.

Sou um formidável dinamismo obrigado ao equilíbrio
BEIJO GATOS! ;)


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial