CASEI! (parte 1)

By | 14.3.16

Falaê galera,

C-A-S-E-I.

Quero dividir tudo com vocês, vou me esforçar pois esqueço as coisas, mas tem algo que preciso falar. Vai soar clichê. Sim, eu sei que vai... Mas o que eu posso fazer? É a pura verdade!! Então lá vai:

FOI O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA

Talvez seja esta a declaração mais feita relacionado ao dia do casamento, sei lá, mas foi incrível. Antes de tudo, eu não fui aquela noiva sonhadora, de chegar de helicóptero, ou de ter um bolo de três metros de altura, não. Fui super simples e realista pois sabia de uma coisa muito especial - lá vai a primeira dica para futuras noivas -, a festa casamento não era para mim. Sim, não era, e é isso que torna tudo tão mágico e mais que especial, ver a felicidade dos outros. Se você for uma noiva egoísta, vai rolar muito estresse, frustração e sempre aquele desejo de que poderia ter sido mais. Então, antes de decidir ter uma festa, pense: por que quero ter uma festa? Eu e meu marido (hahah MARIIDOOUUWWS TOMA TOMA), sabíamos o quanto um casamento inspira as pessoas, e queríamos ser exemplo para nossos amigos, além de levantar um grande culto à Deus levar essa atmosfera de liberdade sobrenatural para aqueles que não vivem isso. Nos dias de hoje, quase ninguém casa. Se junta e está tudo certo, mas não é bem o que Deus sonha pra gente. Ele quer tudo certinho!  Bom, deu certo. O testemunho das pessoas é reconfortante.

Ainda explicando porque foi o melhor dia da minha vida, eu estava literalmente voando! No dia anterior rolou uma tempestade na cidade que faltou luz nos três bairros vizinhos, com isso o céu estava, inenarrável. Cara, o céu estava branco de tanta estrela, tinha rastros, clarões, estrelas cadentes, eu só sabia chorar e falar em línguas, pois ali eu senti toda a confirmação de Deus. Outra dica é: quando há confirmação de Deus, você faz as paradas sem dó. Se for para pular, você pula, não vai dar errado. Com tudo isso eu estava super emocionada, nunca fiquei tão feliz com as sensações que sentia. Me arrumando, minha mãe quase chorando me ajudando, esperando ser chamada para entrar, meu pai, cara meu pai... Meu pai ali comigo, sem dúvidas foi o ponto alto. Papo sério. Não sabia como, mas sabia que haveria um dia em que daria a ele todo o orgulho que sempre quis e também ser motivo de tanta felicidade, acredito que foi nesse dia. Isso me extasiou.

Entrar na areia, ver as pessoas emocionadas, saber que por trás de cada emoção que eu via estava Deus. Fiz o cortejo orando, emocionada. Aí quando eu vi ele, meu futuro marido, não deu vontade de correr, não deu vontade de gritar, nem deu vontade de fazer dancinha... foi tão familiar... olhar pra ele me trouxe tanta paz, tanta segurança, que poderia ficar ali... pra sempre, a gente se olhando, com o mar de fundo, o vetinho, o sol nas montanhas, refletindo na água... Tudo perfeito, eu, me pai, ele o pastor... mas o povo queria a cena! Bora Kapu!! Vem pegar a noiva! (ele, ficou encantado com a minha beleza e não foi me pegar... o pastor chamou, meu pai acenou com a cabeça, a Bela, madrinha deu um grito, aí ele foi!) UFA!
A entrada das alianças foi fofa, o Victo Hugo, de 3 anos, não quis fazer o cortejo e saiu correndo com as alianças de 2 mil dólares pela areia da praia, todos os convidados começaram a se abaixar cavando pra procurar o par da jóia. Sorte que um padrinho tinha um detector de metais no bolso, achou rapidinho... e demos continuidade a cerimônia. Tá não foi bem assim, foi muito fofo e perfeito... Falamos os votos e casamos! Ao cumprimentar os padrinhos, ih um chororô danado... com direito a entrega de mistério e tudo... Vi meus irmãos emocionados, minha mãe me disse as palavras que sempre ecoam na minha cabeça, meus amigos, minha cunhada, familiares... minha sogra me abraçou de uma forma tão aconchegante... nossa, momento forte e incrível.

Saímos como marido e esposa. Fomos para suíte, conversamos, vimos o quanto estávamos lindos um pro outro e quando descemos para a festa minha família fez uma homenagem cantando um música marcante na história da nossa família, muito forte. Todas as homenagens foram cheias de talentos, dons e peculiaridades... nós dançamos, eu cantei (apaga a luz), madrinhas cantaram, ih um show a parte! A festa estava toda trabalhada no tema praia e algumas referências ao artesanato de Belém, cheia de especialidades decorativas... Eu não fiz nada, confiei e fui embora! Profissionais perfeitos nesse evento, oramos por isso também e foi uma resposta de oração bem palpável. Os detalhes dos bastidores vão valer a parte 2 ou 3 deste post. Muita coisa fizemos à mão, como os convites, o chá de panela, e muita coisa resolvemos online, como o Save The Date e o site de presentes virtuais (ainda está no ar aproveite para ver logo, só até abril!), vou me esforçar para organizar fotos e vídeos para fazer um post bem estruturado.
Não falei metade do que queria, mas precisava dar uma satisfação, né. Também não tenho fotos muito boas, mas fui catando no facebook dos convidados. Podem deixar dúvidas, perguntas,sobre vestido, cabelo, make, decoração, convite, orçamento e o que for, que respondo, ok? Bom gente, por hoje é isso, vou ficar chateando você um tempo com essa história, porque foi demais para mim... Finalizo com um trecho da música que a Família Souza cantou para nós. Beijos!!

"Deus não deixará tua luz se apagar, o seu dia escurecer sua flor murchar, Deus não deixará o teu barco perecer, tua fonte secar e o amor que há em ti morrer, Deus não deixará..."
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial